Como se tornar advogado nos Estados Unidos a partir de um Diploma Brasileiro?


O meu caminho

Para se tornar advogado nos Estados Unidos, existem 3 caminhos diferentes:

1.     O caminho tradicional do LSAT + J.D (leia aqui)+ BAR
2.     O caminho do LL.M + J.D (o meu caminho)+BAR
3.     O caminho do LL.M + BAR (em alguns Estados)

Agora que já expliquei alguns conceitos simples da estrutura jurídica Americana nos posts antigos, creio que vocês terão mais base para entender o sistema educacional aqui dos EUA.

Uma das perguntas que mais respondi desde que comecei a estudar em uma Law School Americana foi: Sou advogada no Brasil e quero advogar nos Estados Unidos. Como é o processo de revalidação de diploma?

Primeiramente, gostaria de informar-lhes -com muito pesar -que não existe “revalidação” do diploma brasileiro para fins de advocacia.Para advogar nos Estados Unidos, você precisará retornar aos bancos da Faculdade de Direito.

Os motivos são vários, mas o maior deles é: estamos em um sistema common law. E você, com seu diploma brasileiro, não entenderá sobre as diferenças entre os dois sistemas (acredite! Elas são maiores que a diferença entre códigos e jurisprudências).

O caminho LL.M + J.D 


Esse foi o caminho que escolhi para estar apta a advogar nos Estados Unidos. Eu cursei um mestrado, e após a conclusão, eu iniciei o curso de Direito Americano. Esse, infelizmente, é o caminho oneroso, pois cursaremos dois cursos superiores. Mas, ter dois diplomas americanos no lugar de um, pode ser vantajoso à longo prazo, principalmente quando estamos falando de mercado de trabalho para estrangeiros.  

O diploma do Brasil é um bacharelado em Direito. Então, quando você chega aos Estados Unidos, esse título é tratado como tal. Contudo, como expliquei no post anterior, o curso de Direito é um curso de pós-graduação. Eles consideram que você não tem o título de Doutor em Jurisprudência, você tem um título de Bacharel, por isso, você apenas preencherá o primeiro quesito da admissão em Direito que é: ter um Bacharelado. (Sugiro que você leia o meu post sobre o sistema educacional americano para entender melhor).

Nos Estados Unidos, com um Bacharelado, você pode fazer qualquer curso de Doutorado Profissional, ou Mestrado. O meu título servia para as duas rotas. Mas, eu preferi cursar um mestrado antes. Eu poderia sim, ter seguido a rota LSAT + J.D. Contudo, fazer um LL.M antes, trouxe-me algumas vantagens:

1.     Eu tive um warm-up do ritmo de aulas da Law School e do sistema Socrático. O nível do Juris Doctor é mais difícil do que o do LL.M. E, após o LL.M, eu já me sentia mais confiante com o inglês jurídico, já entendia o que seria exigido de mim como estudante, já estava morando nos EUA há dois anos, e já tinha aprendido tanto sobre o mercado de trabalho quanto sobre a estrutura educacional Americana. Então, creio que esse título foi um ótimo início. O curso não é fácil, mas me deu base para ingressar, entender e me suceder no Juris Doctor.

2.     Waiver do LSAT (Isso não é utilizado em todas as universidades, e nem para todos os alunos). Lembram que contei que você precisa da prova do LSAT para ingressar no curso de Direito? Eu fui liberada desta prova. Por que? A justificativa foi o meu desempenho durante o mestrado. No Mestrado, eu me formei cum laude, e ganhei alguns prêmios na universidade. Isso me deu base para requerer um waiver da prova. Ou seja, eu não fiz o LSAT.  Economizei tempo e mais dinheiro com livros e cursinhos. (Contudo, paguei um mestrado, não foi tanta economia assim…rs). Mas, o ponto é: se você escolher o caminho do mestrado, se esforce para ser um bom aluno, pois você pode conseguir a dispensa da prova do LSAT. Vale salientar que fui dispensada apenas dessa prova, os demais requisitos para admissão eu cumpri.

3.     Consegui transferir algumas matérias do Mestrado para o meu Juris Doctor. Isso também é relativo, algumas universidades fazem a transferência.

4.     Eu fiquei mais competitiva. Quando eu terminar o Juris Doctor, terei quatro títulos em Direito. Dois deles serão americanos. Ainda, serei licenciada no Brasil.

Não esqueça que, tal como a OAB, nos EUA existe um exame de ordem.

Todo caminho que percorri foi pensando em oportunidades futuras. Queria ter a possibilidade de trabalhar em qualquer Estado e em qualquer área do Direito. Também queria ser uma advogada com Juris Doctor, que considero importante para a minha formação profissional.

Acho importante salientar, que apesar da profissão de advogado ser super respeitada e valorizada nos EUA, ainda existem mais profissionais do que vagas de emprego (nada como o Brasil). Ao sair da universidade você pode conseguir uma proposta de emprego ou não. Então, não adianta nada ser advogado desempregado, não é? Por isso, a necessidade de pensarmos à longo prazo. Os americanos serão nossos principais concorrentes na busca do emprego dos sonhos, e muitos deles, tem muita experiência antes de ingressar no Juris Doctor.

Os detalhes sobre o curso de Mestrado nos EUA, você encontra no link Mestrado nos EUA.

Até o próximo post.

Talitha




Nenhum comentário